top of page

Festas Juninas Para Todos

Lydiane Rodrigues – Junho 2023 – Artigo para Viva Vegan


Festas juninas – oportunidades para todos sociabilizarem

Oiee, frequentemente ouço pessoas dizendo que depois que tornaram veganos os convites para sair diminuíram e a vida social não é a mesma. A culpa é do veganismo? De maneira alguma. E por que estou iniciando nossa prosa desse mês com esse tema?

Começou a temporada das festas juninas, uma ótima oportunidade de sairmos da bolha, conhecer gente nova, comer comida boa. Fique comigo, que vou te contar como é possível nós veganos, agirmos em situações desafiadoras. E vou te fazer um convite!



Breve histórico das festas juninas

De tão alegres e cheias de comidas deliciosas algumas regiões do Brasil tem estendido as festas juninas até o mês de julho. Sua origem é pagã, com o objetivo de homenagear os deuses da natureza e da fertilidade e pedir fartura nas safras.

Com o tempo a Igreja Católica reconheceu a popularidade das festas juninas e incorporou um aspecto religioso também, homenageando os santos casamenteiro, das chuvas e das amizades. Assim, tradicionalmente no Brasil, as festas juninas começam na véspera do dia de Santo Antônio, por volta do dia 12 de junho e encerram no dia 29 de junho, dia de São Pedro. Nos dias 23 e 24 também é celebrado o dia de São João.

As festas juninas valorizam a culinária brasileira. O milho e o amendoim são os principais ingredientes das comidas servidas. Nos mostram o quanto os alimentos vegetais são versáteis e que com criatividade é possível elaborar receitas simples e bem saborosas.


Direcione o diálogo

O milho cozido ou assado, paçoca são isentos de ingredientes de origem animal. Já a pamonha o pé de moleque, pipoca e bolo de milho precisamos agir naturalmente e de forma educada perguntar se há banha de porco, queijo, leite de vaca, manteiga ou ovos, por exemplo:

“Oi, boa noite. Que bolo bonito, parece bem fofinho e gostoso. Você que preparou?”

“Foi usado leite, ovos ou manteiga na receita?”

“Ainda tem pamonha? Me falaram que essa barraca tem a melhor... Falando nisso, tem diferença entre as pamonhas feitas com óleo e banha de porco?”

Não precisamos ser hipócritas, se realmente a apresentação da comida está atrativa, elogie e direcione o diálogo com uma pergunta e aguarde o interlocutor responder. Reforce o que ele diz e devolva outra pergunta. A pressão social existe, mas desenvolver escuta ativa, persuasão e direcionar o diálogo, deixa o veganismo bem mais leve.



Dê um chega na alucinação

Hoje independente do padrão alimentar, existem pessoas com restrições alimentares por vários motivos. Que não consomem laticínios pois tem alergia a proteína do leite de vaca, que possuem alergia à ovos, que não usam carne e banha de porco por questão religiosa.

Tenho pacientes que não podem comer kiwi e manga, não é frescura delas, pois são alérgicas e já quase morreram com edema de glote. Recentemente atendi uma paciente e perguntei o que ela achava de incluirmos uma opção de caldo de feijão branco no jantar com torrada e sementes de abóbora e ela me respondeu “Dra. Sugiro outra opção pois não consumo feijão branco por questão religiosa”. Eu recebi a resposta dela com atenção, respeito e juntas montamos três opções para o jantar de acordo com os valores religiosos e objetivos dela. E seguimos o tratamento dela com parceria e ótimos resultados.

A questão é que a gente começa a ter alucinação:

“O que vão pensar de mim”

“Eu sei que essa pamonha tem queijo, tá na cara”

“Ele vai me achar chato”

“Eu vou ser a única da festa a perguntar sobre os ingredientes”

“Não vai ter nada para eu comer mesmo, prefiro ficar em casa”

“Prefiro ficar em casa do que me irritar com as pessoas”


Alucinação é paralisante! E geralmente está relacionada com nosso ego e medo de rejeição, pensamos só no nosso próprio umbigo.


Minha missão para você

Que tal nos colocarmos em movimento, visitar nem que seja uma festa junina nos próximos dias e dialogar, perguntar? Tudo é questão de treino. E pode ter certeza, vai ter pelo menos uma coisa para você comer, sempre tem. Mas se preferir pode fazer uma refeição antes de ir para garantir uma alimentação equilibrada. Só não vale ficar em casa.

Que tal sermos os primeiros a aceitar os convites dos amigos? Ou ao invés de esperarmos sermos convidados, sejamos os que convidam! Que tal chamar o pessoal para um happy hour junino no salão de festas do seu condomínio? O que acha?

Dependendo dos convidados você pode até colocar um documentário sobre vegetarianismo para assistirem. Sugiro o “Cowspiracy – o segredo da sustentabilidade” ou “Dieta de gladiadores”. Segue abaixo uma sugestão bem prática e saborosa para seu evento junino.


Menu do Happy Hour Junino:

- Cachorro-quente vegano com salsicha vegetal (Você encontra várias opções na Viva Vegan)

- Pamonha assada (AQUI)

- Pipoca, feita no óleo de coco fica tipo pipoca de cinema. Já experimentou?

- Paçoca, pé de moleque de sobremesa

- Suco ou outra bebida da sua preferência

- Substitua o medo de perder pelo medo de ganhar.


Vegnic de Arraiá


No dia 24/6, sábado a partir das 15:30h no Parque Águas Claras vai rolar um piquenique promovido pela @svbbrasília onde vai ser possível conhecer e bater papo com vegetarianos e veganos. Para participar é simples, basta levar uma comida típica de festa junina que seja suficiente para você e mais pessoas comerem; copo, prato e talher. O ponto de encontro será no portão próximo à UNIPLAN.




Lembrete!

Mantenha sua vida social ativa! Na loja Viva Vegan você encontra as melhores opções para seu happy hour. Queijos, bebidas, presuntos, salsichas, linguiças, almôndegas, hambúrgueres e muito mais. Todos com ingredientes totalmente vegetais e incrivelmente saborosos, nutritivos que agradam a todos, independe te do padrão alimentar. Confira aqui na loja online ou na física em Águas Claras.

Ah, e se você deseja um acompanhamento nutricional individualizado, focado no emagrecimento, hipertrofia muscular e adequação de nutrientes ou se você deseja ser um VEGetariANO blindado à prova de deficiências nutricionais e comentários sem noção. Entre em contato comigo! Bjo da nutri. | Lydiane Rodrigues.



Quem é Lydiane Rodrigues


-Nutricionista, mestre em nutrição e saúde, especialista em nutrição funcional e nutrigenômica com aplicação no vegetarianismo e veganismo.

-Coautora de livros na área de coaching esportivo e saúde.

- 1º Lugar do Prêmio IEL de Estágio 2011 com o projeto 'NutriSustenta: nutrindo com sustentabilidade'.

Instagram: @lydianerodrigues



20 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page